Como é difícil ser mãe solteira!

Em 14.10.2015   Arquivado em Mundo Mãe

Queria começar esse post de hoje dando parabéns a você que é mãe solteira ou mãe que tem um companheiro, mas que não cumpre o papel de pai. Sim, papel de pai, pois pai não ajuda. Pai é pai e tem tantas obrigações com os filhos quanto as mães.

Meu marido está viajando a trabalho e, praticamente está a 45 dias em outro estado. Desses 45, no máximo 20 dias ficamos juntos, pois fui ao seu encontro, mas depois retornei para casa já que a vida por aqui continua com consulta médica de rotina, compromissos com igreja, entre outros.

Durante esse tempo pude perceber como o Thiago, meu esposo, é pai (e marido). Em nenhum momento desde a gestação até o mês de setembro agora me senti tão exausta como estou. Sim, fiquei exausta de amamentar, exausta por acordar a cada 3 ou 4 horas e não ter horas de sono seguidas como antes, exausta pela mudança de rotina com a chegada do baby, mas essa exaustão de agora é diferente, parece que estou chegando no limite. rs Isso porque o Pedro não dá trabalho, mas está tendo MUITA energia para gastar e parece que quer descobrir o mundo todo em 1 dia e a sinfonia do “não” já está sendo cantada em casa. A rotina do Pedro também teve mudanças nesse período e, ao invés de 2 sonecas por dia, mudou para 1 após o almoço e é aquela coisa: quando vc precisa que o bebê durma bastante, 1 hora de sono é o suficiente para ele, mas quando vc precisa que ele acorde para cumprir um compromisso, aí ele dorme 3 horas seguidas a tarde. haha O pediatra dele também quis mudar horário de janta para ver se ele parava de acordar pontualmente as 4h30 para mamar, então a janta ao invés de ser as 18 é agora as 19 horas (horário que Pedro já estava costumado a ir dormir). Ainda estamos nos adequando… teve dias de dormir direto até as 8, mas teve dias de acordar 3x ao invés de 1 na madrugada. Mas de ontem pra hoje ele dormiu direto e acordou as 9! 13 horas de sono seguidaaaaaas! Uhuuuuullll! Ah, e Pedro também não está mamando mais no peito, outra mudança radical para mim. (fica para outro post o relato)

Não estou reclamando do Pedro ou do marido que está trabalhando fora, só estou relatando uma vida desconhecida para mim até então, mas que é a realidade de muitas mães nesse mundo afora. Café, almoço, janta (todo dia e bem caseira, nada comprado de algum lugar), mercado, feira, pagar contas, arrumar e faxinar casa, lavar e passar roupa, dar atenção ao filho, banho, sair para passear (pois cansa ficar em casa).. ufa! E tudo isso SOZINHA!

Minha mãe me ajudou, minha vizinha-amiga, Manu, ajudou, várias pessoas ofereceram ajuda e eu sei que podia realmente contar com elas, mas ter a presença de um pai é diferente. Com o Thi aqui, por mais que o banho seja rápido, eu TOMO banho. Por mais que eu coma frio e rápido, eu COMO! Sem ele aqui as vezes preferia dormir ao invés de comer. (Não queiram me ver com sono!) Mas, por minha sorte, minha “solteirisse” está com os dias contados!!! 🙂

Por isso, quero parabenizar você que cria, educa e ama um ou mais filhos sozinha, que não delega essa obrigação para mãe, sogra, escola ou outro alguém, mas que faz isso com muito esforço e comprometimento. Parabéns, guerreira!!! Senti na pele que não é fácil!

Thi, amor, volta logo! Te amo muito e obrigada por ser PAI! <3 Estou ansiosa pela sua volta! rs

Pedro com 6 meses e o papai Thiago

Só para descontrair:

Eu, quando Thiago chegar em casa! hahaha

Beijos e até mais!!! 🙂

Sua casa é para a família ou visita?

Em 11.05.2015   Arquivado em Mundo Mãe

Home-Sweet-Home-bydivulgacao 

Semana passada, li no blog da minha amiga, Carol Godoy, (Decorando Sem Grana) a seguinte frase: “… assim como tirar da caixa aquele jogo de jantar que você guarda para a visita. Nossa família são as pessoas que devem ser sempre muito bem vindas à mesa, por isso nada de guardar o melhor para a visita e servir o jantar para família com copos de requeijão, hein?” e pensei no que tenho feito em casa. 

Pois bem, confesso que quando recebo visita tomo mais cuidado com o preparar do jantar, mesa, utensílios, e já tinha percebido essa minha falha, mas agora prometi a mim mesmo que mudarei! 🙂 

Tenho jogos de jantar guardados para alguma ocasião especial que nunca chega, jogos de talheres, o famoso sousplat que a Carol falou no blog e eu NUNCA USEI! Sério! Acho lindo, o meu é estilo rústico e simplesmente, nunca usei, nem quando fiz jantar a luz de velas e tal… está guardadinho esperando alguma ocasião que eu mesma nunca criei. 

Como você trata a sua própria família? Já parou para pensar nisso? No começo do casamento temos aquele zelo especial e aos poucos deixamos a rotina e os problemas influenciarem o nosso lar. 

Ontem a noite, em minha igreja, o evangelista Israel Trajano, citou um exemplo de um carpinteiro que antes de entrar em casa passava a mão em uma árvore e ao sair para o trabalho no dia seguinte, passava a mão novamente. Esse ato era para deixar os problemas/ansiedade fora do lar, e no dia seguinte ele os pegava novamente para resolver durante sua jornada de trabalho e, com o tempo que passou, os problemas estavam menores e ele com a mente mais tranquila para os resolver. 

Com a pressão imposta nos dias de hoje temos que ter discernimento para não deixar entrar em casa algo que não vai agregar. Nossa família é o nosso maior bem! <3 

Esse post foi falando de casa/família, mas semana que vem prometo voltar aqui com uma dica/receita legal, onde finalmente usarei o sousplat! haha 

Que Deus nos abençoe nessa semana!

Beijos!